quinta-feira, dezembro 30

DE 2010 (PARA 2011)


E um ano novinho vem caminhando em nossa direção. E nós na dele.
Pensando assim da pra sentir desde já que esse encontro promete! E como não esperar com ansiedade?
Não. Definitivamente não dá. Não há como não fazer planos, renovar votos, repensar o que passou. E tudo isso com muita alegria, porque mesmo que os 365 dias que ficaram para trás tenham sido de muita turbulência, desafios (em sua maioria enriquecedores) e incertezas, o fechamento de um ciclo e o início de um novo, sempre nos inspira, anima e renova (de alguma forma); além disso é verão, aquela estação forrada de cor e sol, a quem também já dediquei um post, claro.
Se o ano de  2010 já vai indo, por assim dizer, o momento de olhar nos retrovisores é agora. Depois é se despedir e seguir focando o que vem adiante.
Da minha parte tenho muitíssimas coisas a agradecer (preciso fazer isso entre um pedido, entre uma expectativa e outra).
Se pudesse comparar meu ano a algum filme, por exemplo, teria que ser um bem agitado, engraçado e... romântico... De saída pensei em: Noiva em Fuga (é divertidíssimo e tem final feliz) e Corra Lola Corra (este é o retrato da corrida contra o tempo, não só da minha, mas de muitas rotinas por aí. Além de ser hilário e fazer parceria com uma trilha sonora da- quelas). Depois, achei que  As Horas, completaria com os demais ingredientes. Taí uma boa dose de drama e complicação,  companheiros do universo feminino, em maior ou em menor grau...rs. De tudo, é agradável a certeza de que o saldo do período é positivo. 
A vida de mãe ensinou deveras, a de profissional está caminhando - a passos de formiguinha, como disse a Fê Franken em uma postagem que a-mei -  cheia de projetos (levada à certas doses de ansiedade, confesso), a de esposa...bem, essa é uma aventura!
Foram muitos cafés (inesquecíveis), encontros com amigos (mais que especiais), o blog e os amigos blogueiros, alguns tombos,  e muito, muito aprendizado.
O que não foi feito carrego comigo para a fase seguinte, não como problema ou algo inacabado, simplesmente, mas como elemento motivador, sempre. 
E nesta vibração, espero abraçar e ser abraçada por 2011. Que seja um ano de trabalho, realizações, soluções e conquistas, a todos.
Beijo graaaande and...
Cheers!

terça-feira, dezembro 21

UNICÓRNIOS



Recentemente fui pega de calças curtas, surpreendida por mim mesma, por minha falta de traquejo assim dizendo, para lidar com uma situação, no mínimo, delicada: a mentira.

Todos nós passamos por essa jornada atravessando fases. Primeiro a infância que eu, particularmente, acho a mais bonita, mágica e especial. Absolutamente normais as mentirinhas desta fase.
Já na adolescência, de um trecho em diante, mentir torna-se problemático se o quadro assumir um contorno repetitivo compulsivo ou extremamente  fantasioso.
Se isso acontece e perdura até a fase adulta, traz muitos outros transtornos e sofrimento, tanto ao mentiroso quanto aos que o cercam. As mentiras ou omissões podem se tornar sistemáticas, sem razão aparente, assumindo caráter de vício, e é sobre isso que eu gostaria de falar hoje, no blog (Antes um pouquinho sobre os pinóquios da vida, mesmo que meio "en passant", pra que possamos montar o quebra cabeças, caso situações complicadas passem por nós... ou nós por elas...).

E eles podem ser:
Compulsivos: Como citei acima, inventam mentiras desnecessariamente para evitar ou livrar-se de problemas. A questão é que isso torna-se uma constante e frequentemente desencadeia outros transtornos e depressão.

Patológicos: Estes são os que inventam os cenários praticamente fabulosos. Lendo isso ou imaginando a situação, o primeiro pensamento é o de uma história exagerada, cheia de buracos e que não pegaria nem o Theo como ouvinte. Porém, esse tipo de mentiroso é ardiloso, suas histórias são sempre bem montadas e muito bem alicerçadas. O poder de persuasão do indivíduo é alto, comunica-se muito bem , é extremamente articulado e suas invenções são sofisticadíssimas. Normalmente quem escuta acredita, se compadece e tira a roupa para vesti-lo, se não abrir os olhos (e os ouvidos). 

Brincadeiras à parte, o que mais me chamou atenção foi observar e depois constatar que na maioria dos casos ( no meu, tenho observado há um bom tempo. Não é do dia para a noite que podemos perceber que fomos ou estamos sendo ludibriados por uma pessoa como essa), quem sofre deste tipo de Transtorno de Personalidade, não demonstra emoções ou preocupações ao enganar. Todo esse processo pode se tornar cada vez mais bem concatenado com o passar do tempo,  e todo ele, na maioria dos casos, é fruto de medo - especialmente da rejeição - , falta de auto estima e insegurança, segundo especialistas.
Como disse, demorei para perceber e ainda custo a crer. A sensação não é das mais agradáveis, e a mentira pode ser ainda mais difícil quando descobrimos que vem de uma pessoa próxima, que confiamos.
Minha primeira atitude foi a de me preocupar. Fiquei super chateada, contudo a preocupação de  me proteger, foi maior. Provar a descoberta também não é tarefa fácil; por enquanto estou guardando pra mim, deixando que o tempo e o bom senso dos que convivem com a pessoa,  providenciem para que percebam por si.
Sigo tranquila, mais alerta e carregando mais este aprendizado: Confiar requer cuidado.
De tudo, o intuito maior do post é o de salientar que apesar dos tantos pesares e percalços, podemos ainda aprender, praticar o perdão e crescer. Muito.

E você, costuma contar umas mentirinhas além daquelas naturais (rs)?
Já passou por uma saia muito justa contando ou descobrindo uma mentira grave?

Delicado o assunto, não é?
Quando pensei em publicar achei que nossas discussões seriam bastante produtivas, por aqui.

Beijos a todos!


domingo, dezembro 19

UM SONHO ESPECIAL


Ainda esticada na rede, Tamara relembrava seu sonho. Fora numa dessas cochiladas rápidas,  que revigoram mais que noite plena.
No sonho, passeava por alguns cômodos de sua atual existência, revivendo fases, sensações e alguns mistérios já  deixados para trás... alguns resolvidos, outros aguardando momento oportuno.
Com uma calma peculiar pôde conversar com velhos amigos, repartir sorrisos, provar  de  familiares "frios" na barriga, abraçar sua avó...  
No casarão que fora cenário principal de sua infância, a fachada amarelada era a mesma...rústica, cheia de janelas. 
Logo na entrada o cultivo de alecrim e manjericão da matriarca perfumava os arredores.
Tinha também capim-cidreira e hortelã, exclusivos dos chás da tarde.
Na sala, paredes verdes meio descascadas, quase que cobertas  por  tantos retratos. Até o daquele sujeito  desconhecido que sempre lhe intrigara estava lá. Era dono de uma expressão sisuda, imponente... Nunca entendera porque ele compunha as lembranças de família; também nunca perguntou. O aparador predileto de sua tia continuava ali, forrado pelos velhos crochês,  acompanhados unicamente de um solitário...
Sentou-se.
Assistiu algumas cenas de telenovelas junto de seu avô. Ele, entre uma cena e outra, ajeitava os óculos e sorria-lhe satisfeito.
Lá fora divertiu-se com os primos, comeu fruta do pé. Era raro a Mangueira do quintal ficar tão pesada, tão repleta. E aquela era de suas frutas favoritas.
Logo chegaram seus pais. Tamara adorava observá-los.
O pai era para ela aquele "tipão", como se dizia antigamente; a mãe aquela dona charmosa, cheia de encantos, cabelos bem negros, até o ombro, anelados como ela gostaria que fossem os dela. 
Ambos entreolhavam-se apaixonados, bailando juntos um matrimônio que só poderia existir mesmo em  seus sonhos ou em um desses filmes de ficção ultra-modernos, meio complicados de entender...
Como são bonitos! - indagava bem baixinho.
A tarde que se achegava trazia junto, além do chá de cidreira, bolo de fubá e pão quentinho, que ela adorava comer com manteiga. O avô não deixava faltar.
À noite deu para observar  aquela mesma constelação que fora ouvinte de tantos segredos de infância.  Era noite quente, como dessas agradáveis de verão... Fechou os olhos.
O sol seguinte brilhara  diferente; claro, revelador, puro... como olhos transparentes de criança. Encorpado, bonito; tocando sua fronte levezinho, como quem tem medo de despertar o outro do sono providencial.
Seu despertar foi lento, suave... o EU vinha lá de longe, como de uma longa caminhada pela praia. Sentia-se alegre. 
Vislumbrava o amanhã mais colorido. Estava ansiosa por pintá-lo.
Certamente as próximas horas do dia a convidariam para algumas reflexões.
Por hora um chá bastava-lhe.

terça-feira, dezembro 14

DESENHANDO O FUTURO


Adoooro o que de positivo rola pela blogosfera!
Sei, já falei isso, mas é sempre bom e prazeroso demais declarar e declarar repetidas vezes.

Recebi esse Jogo dos Desejos - consiste em dizer 5 vontades para 2011, porém devem ser apenas pra mim -  da Chris Ferreira, do Inventando com a Mamãe.
Amiga, achei muito legal. Importante plasmarmos desde já, aquilo que desejamos para nossas vidas no ano que se aproxima.

Tenho inúmeros desejos (rs). Alguns inconfessáveis pelo menos publicamente, mas juro que conto a vocês num encontrão de blogueiras da-queles, como costumo dizer...

Do que posso publicar, desejo:

1- Continuar dotada dos poderes mágicos. Eles têm tornado meu casamento por exemplo, uma receita única e saborosa.
2- Continuar  administrando ingredientes (fermento de preferência) eficazes para meus projetos no âmbito profissional.
3- Continuar aprendendo e aplicando lições que me permitam sentir e curtir melhor MEU próprio tempo.
4- Continuar expandindo meus horizontes. Vital em minha caminhada de aprendiz.
5- Deletar de verdade TUDO E TODOS que atrapalhem mesmo que de de forma mínima, qualquer um destes projetos.
Divido essa brincadeira com:
Re - No Balanço das Horas
Val - Dolce Algodão
Re - Cítrico e Cintilante
Anne - Super Duper
Ana - Balde, Areia e Balanço 
 E que 2011 venha com força total!
 

sexta-feira, dezembro 10

EU, O BATMAN E OS VELHOS PROBLEMAS DE GOTHAM...


Velhos problemas...
No meu caso, não tenho plena certeza de que são velhos ou  de que são os mesmos, mas o fato é que eles existem e lamentavelmente ou não, sempre irão existir (e teria a vida mesma beleza sem tais desafios?)...
Aqui em Gotham, digo, em casa, a correria é tremenda. Tem sempre algo ou alguém precisando de socorro. Junto, há também o coringa, a mulher gato, o charada e outros tantos vez ou outra, atrapalhando o andar da carruagem.
São os que metem o bedelho, os experts donos de soluções infalíveis, os mau agourentos e às vezes o batmóvel, precisando de uma boa revisão.  
(Em se tratando de pessoas ansiosas tudo multiplica-se monstruosamente, não sei por que causa ou razão. Talvez uma auto-cobrança para estar com tudo em dia, e aqui entra: casa funcionando, marido devidamente mimado, filhos cuidados e PROTEGIDOS, leituras do dia, feitas, projetos e carreira  rumando para o sucesso -  se já estiver lá, melhor ainda - , refeições balanceadas, corpo em forma e os cabelos...ajeitados, pelo menos... ufa!)
Quem acompanha o blog já leu um pouco sobre essa agitação toda, aquela velha falta de tempo, que nos dias de hoje é mais famosa que celebridade, está aqui e aí e assola a tudo.
E os conflitos? A sensação de que perdemos as rédeas da condução da vida?
Sentimento bem chatinho esse. Travo batalhas homéricas com o figurão...
Nestas horas, sinto minha Gotham, realmente de pernas para o ar.
Como o batman resolveria esses probleminhas, ãh?
Não sei, mas de um modo ou de outro poria fim nisso tudo.

Uma vez, ouvi em um outro filme de héroi (com certeza vocês também) que, juntamente com grandes poderes (sim temos super poderes. Pode ser que a rotina não nos deixe enxergar ou sentir, mas os temos; especialmente nós mães), vêm grandes responsabilidades. Ouvi ainda que devemos sempre acreditar, e se algo nos foi confiado, é porque temos a capacidade única de fazê-lo, de dar a solução.
Não sou o batman (ou a batgirl rs), nem o homem-aranha...
Mulher maravilha?
Talvez...
E defendendo descaradamente a classe,  sei que existem algumas outras por aí; e se o caos também existe  é para que passemos por ele, e após atravessá-lo, que possamos sair do outro lado, melhores e prontos para o próximo embate, tenha ele cara de vilão ou não.

...Gotham nos chama.





Este post começou a nascer aqui quando, ainda que sem saber  porquê, fui comparada ao Batman pelo próprio maridooo...

terça-feira, dezembro 7

UMA BELA CONFUSÃO

"...Não quero que aqueeele velhinho, leve toda a fama neste Natal!"

Mal sabia o marido que estava pisando em campo minado, ao proferir a frase e colocar em prática uma ideia... furada...
A intenção foi bonitinha, querendo adiantar para os filhotes alguns dos presentinhos que eles pediram ao Papai Noel, em suas cartinhas.
Foi tooodo prosa até a loja e eu fui incubida de entregar os brinquedos ao Theo e à Sô, na tarde de ontem.
Lá fui eu, porém....
- Eu queria que o Papai Noeeeeeeeeel desse pra mim... foi a primeira reclamação que ouvi (da Sofia), acompanhada de uma tromba da-quelas.
 O Theo não entendeu nada...Olhava o bico gigantesco da irmã e arregalava os olhos na tentativa de decifrar porque PRESENTE, foi igual a UMA TREMENDA CARA FEIA, naquele momento... Provavelmente ficou mega confuso com a artimanha do pai que, sorrateiramente, subtraiu (antes do tempo), a carta do bom velhinho de entre os galhos da árvore de natal...
Neste momento, nem toda minha experiência no campo da relação pais e filhos, nem meu arsenal de frases calmantes, associados a muita paciência foram suficientes para "abafar" a situação provocada por esse pai tão... audacioso (onde já se viu passar a  perna no Papai Noel?) e evitar algumas lágrimas.
Por outro lado  mãe é mãe e, mesmo sem saber, estamos  preparadas para todas estas armadilhas engraçadas, entre outras coisas, desde que começamos a gerar nossas crias. Quando pegamos os rebentos no colo, todo o resto acontece. Sabemos cuidar, limpar, alimentar, aquecer e proteger de tudo, é verdadeiramente instintivo; Como uma centelha mágica colocada ali pelo criador, apenas esperando o momento ideal  para cintilar e nos envolver a todos, especialmente em momentos críticos.
Como de costume, respirei. Consegui convencê-la de que o velho Noel havia concordado com tudo o que o papai tinha feito, liberando-o para dar alguns dos ítens da carta, e finalmente tive a sensação boa de que estava tudo apaziguado entre todos, presentes ali ou não. Ganhei uns olhares tortos, o Sandro umas caretas feias quando chegou, mas o mal entendido foi resolvido.

Saldo:
Não sei se foi ataque de bobeira ou corujice de pai, contudo sinto que aquela velha figura rechonchuda, de casaco e calças vermelhas, ainda levou a melhor (rs)...

Deixo  algumas imagens da Revista Crescer deste mês, que entre muitas dicas legais  -  presentes educativos,  spa para os kids, lidando com a birra (essa a gente precisa e muuuito)  -  traz uma super matéria: Como nos tornamos mães? Apontando o aumento de nossa sensibilidade e como nos preparamos para ser sempre a (o) melhor para os pequenos.


Fotos: Bárbara Wagner
Todas as imagens: Revista Crescer

Dar ao seu filho a certeza do seu amor incondicional mesmo quando as frustrações dele sejam provocadas por você. É, não é fácil. Mas essa é a sua maior prova de afeto e  o caminho para que ele aprenda a importância desse sentimento para sempre.

Revista Crescer

segunda-feira, dezembro 6

PARA HOJE


"Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade."

Mário Quintana


Esta mensagem recebi por email, de uma pessoa muito especial.
Amiga, marquei esta frase do Quintana, como um presente, um mimo de alguém que vibrou boas energias em minha direção!

Um beijo
Boas vibrações e
Boa semana a todos!

terça-feira, novembro 30

AINDA SOBRE NÓS (SUPER) PAIS...E FILHOS


Dia desses lendo Mário Prata, peguei uma crônica com o título: Criança diz cada uma...

Nem preciso dizer  porque parei pra ler...
Só não sei se dei mais risadas dos "causos" ali narrados  (vocês certamente já imaginam o teor das histórias, especialmente quem tem filhos, sobrinhos e afins), ou do próprio autor, se divertindo com as frases inusitadas dos pirralhinhos.

E nessa levada sobre filhos, pais e suas peripécias, imaginei alguns possíveis trechos daquelas crônicas (impublicáveis), que seriam inspiradas nos exageros daquele que, com muito amor, me criou.
Claro que sucumbi à tentação de dividí-los com todos, visto também que, pelos comentários do meu último post sobre o assunto ( Super Pais e Super Mães), entendi que outros pais fazem companhia ao meu, no quesito babação deslavada (em tempo, confesso que na qualidade de mãe,  faço parte desse time rs).


Assim, baseados na essência do ser paterno, aqui estão trechinhos do que, tenho certeza, dariam boas crônicas:

- Vou dizer aos policiais parados em frente a sua casa, que a carteira que você perdeu já foi encontrada...
- O quê???
- Ah, coloquei polícia nisso, sim!
***

   E olhando a expressão confusa da filha, ele arriscou:
- Bem, eu seguia o ônibus que te levava pra faculdade, mas p... era preocupação!


***
...Então, explica pro meu genro (aí me pergunto se era ao Sandro que eu deveria explicar alguma coisa), que hoje é dia dos paaais, não dos mariidos e vem passar o dia com o pai...

O que pensar de tudo isso?
Fazendo todas aquelas continhas de novo, o saldo deu... positivo.
Acho é fofo demais!


(...) O meu pai era paulista
Meu avô, pernambucano
O meu bisavô, mineiro
Meu tataravô, baiano
Vou na estrada há muitos anos (...)

PARA TODOS
Chico Buarque


P.S: Mamis, você também faz parte de tudo de bom que me cerca!

segunda-feira, novembro 29

CAIXA DE BOMBOM

Num post recente, registrei o quanto fico feliz pelas surpresas bacanérrimas que as amigas blogueiras (algumas já conheço pessoalmente, são tudo de bom) preparam e dedicam nesse universo tão... brilhante!
Uma outra vez, a Ana, queridíííssima Mãe Mochileira, dona de dicas de ouro sobre passeios e viagens pra quem além das malas, carrega crianças no bagageiro, também mencionou o quanto nossa vida e caixa de correio ficam mais recheados, depois que iniciamos um blog. É verdade...
E ele próprio vira e mexe fica mais enfeitadinho e recheado destas gentilezas das amigas. É, recheadinho como essas caixas de bombons sortidos. O meu por exemplo, tá mais enfeitado e mais gordinho de tantos bombons, digo, selos que ganhou. Estão meio atrasados eu admito, mas nem tanto, foram muitos presentes de uma vez, meeesmo.

Este ganhei da Michelle do Blog da Michelle. Um cantinho delicioso, repleto de textos magníficos, mega inspiradores e Mi, pra lá de bem escritos. Adoramos tudo isso junto rs! Beijão!




Recebi estes outros da Chris Ferreira, dona de um espaço irresistível, cheio de guloseimas divinas e dicas super legais para as crianças. Livros, passeios e claro, doces rs! 
Tudo Inventado por ela, na companhia das filhas. Beijão meninas!
Chris, acho que nem você se lembra quando postou alguns destes selos, né rsrs?

Amiga o terceiro selinho que entre outras regrinhas pede pra colocarmos uma foto de um visual radical rs no cabelo, eu já havia ganho, então estou apenas postando.





Ai que mimos! Estes vieram da Ju do Mil Faces de Juliana. O blog dela tem assuntos diversos. 
Acho o máximo. Parece reunião de amigas que não se encontram há muito tempo e, resolvem por na roda aqueles conflitos que somente nós mulheres carregamos. É entrar e ter a certeza de um... chá com cupcakes, delicioso. 
Os três são lindinhos. Coisa de mamis! Beijão Ju.


Este cute veio da Márcia do Relacionamentos. Amiga obrigadíssima.
O bloguinho dela é cheio de flores e poesia. Passem por lá pra se inspirar.

O selo pede pra que contemos nossos sonhos.
O meu é de verdade apenas um: Paz e equilíbrio! O resto é resto.
Beijos Ma!



Agora olhem para os fofos que ganhei da Valéria do
O blog dela também é super poético. Beijos Val!


 
Por último tem este igualmente especial. Recebi da Re do No Balanço das Horas. Ela é uma fofa e o blog também. Quem visita volta sempre! 
Beijos pra ti, amiga!


Finalmente a parte mais legal: Compartilha-los. E estes são suficientes para todos meus amigos e mais um pouco rs.

Ufa, é isso! 
Amei. Pensei em postá-los de várias formas. Por partes, fazer capítulos tipo telenovela mexicana, posts individuais, mas tem sempre aquele empecilho conhecido de todos: Tem-po.

Obrigada e uma excelente semana a todos!

sexta-feira, novembro 26

SUPER PAIS (E SUPER MÃES)



Mi, você é superprotera!
Esta foi a frase que ouvi da esposa  de um amigo (ela é terapeuta), durante um papinho rápido. 
A conversa foi boa  apesar de rápida, e mesmo assim ela conseguiu identificar isso.

Porém, olhando bem pra mim, sinto que sou apenas cuidadosa...
Brigo (se necessário) com as tias da escola, vigio o lugarzinho deles na fila do escorrega, cheiro o pezinho, admiro durante o soninho...

Imagino que minha surpresa nisso tudo, tenha sido pelo fato de nunca  ter escutado a dita frase, de um profissional. Pra mim foi estranho e engraçado.
Isso porque nós, pais e mães zelosos, sempre achamos que essa palavrinha SUPER, colocada antes de PROTETOR, é puro exagero.  Não?! (...)
No fim das contas me peguei dedicando àquela agradavél conversa, mais horas de preocupação do que eu gostaria..

Será que minha tendência é sufocar os filhotes?

Seria herança?
Coisa de primogênito?
Coisa de leonino?
Ou tudo isso junto ?

Quando os pensamentos  me fizeram tais perguntas, lembrei-me automaticamente das mãos, sempre cheias de mimo, do meu pai.
Era como se elas se materializassem na minha frente, na forma do que fosse, sempre que eu precisava... meio que O Escudo do Leônidas, de Esparta, sabe rs?
E se é verdade que somos pais e mães, COMO NOSSOS PAIS  foram...
Meu comportamento quando o assunto é maternidade, está beeem explicado.

Meu pai superprotegeu pacas (e ainda o faz se eu der  a mínima brecha...) Fez, desfez, ensinou, aconselhou, explicou, destrinchou, guiou e um pouco mais.
Um bocado do que sou hoje vem mesmo dele.

Me acompanhava todas as manhãs à escola (até o primeiro dia da faculdade, pasmem), fazia minhas tarefas de geografia  (eu odiava pintar mapas hidrográficos), me ensinou a andar de bicicleta e secava as incontáveis lágrimas depois dos sucessivos tombos com ela...

Vez ou outra ele ainda me puxa pelo braço pra uma conversa da-que-las. Começa a enfileirar conselhos, querendo me passar seus ensinamentos de pai coruja, até hoje. Os papos são longos, viu?
Com absoluta certeza, ele ainda me exerga como uma menina de 5 anos, estendendo-lhe a mão, para atravessarmos a rua (não, ele não admite que baba os filhos deslavadamente).
Certemente, seus excessos renderiam crônicas hilárias, porém impublicáveis (Theo e Sofia a mamãe promete não dar essas bolas fora... digo, juro me esforçar para isso)


Um final de semana cheio de mimo e babação paz a todos!
Beijo

quarta-feira, novembro 24

AKIRA KUROSAWA - EXPOSIÇÃO


A Vogue deste mês trouxe, entre muitos assuntos interessantes (400 páginas super recheadas com dicas sobre moda, viagem, arte e cinema), uma matéria divulgando a exposição "Criando Imagens para Cinema", em comemoração ao centenário do nascimento de Akira Kurosawa.
A mostra traz 80 storyboards - nunca antes tirados de Tóquio -  feitos pelo cineasta japonês, considerado referência no mundo cinematográfico. Seus trabalhos influenciaram e influenciam até os dias de hoje grandes diretores, tendo sido ele um dos  mais importantes do século XX. 
Seus filmes retratavam basicamente o Japão Medieval, de forma emocionante e dramática, levando os expectadores a um mergulho profundo nesse universo encantador. Kurosawa ganhou diversos prêmios, entre eles o Oscar Honorário pelo conjunto de sua obra, no ano de 1989.
Os desenhos, segundo o mestre japonês, eram uma forma de vivenciar seu dom original, de manter vivo um talento que ele protelara em nome do cinema, além é claro, de ser uma forma de dar início ao que seria  posteriormente filmado.
Os Storyboards reunidos, referem-se aos filmes da década de 80 em diante. Entre eles estão KAGEMUSHA (A Sombra de um Samurai - 1980),  RAN ( Os Senhores da Guerra - 1985), este foi uma adaptação de Akira Kurosawa para Rei Lear de Shakespeare, YUME (Sonhos - 1990) entre outros.

Separei pra gente um dos desenhos mais famosos dele:

Desenho de Akira Kurosawa para o filme Ran


Abaixo, algumas das cenas de seus filmes:
 Cena de Yojimbo (O Guarda-Costas - Akira Kurosawa)
Emocionante!
Gosto de tudo na cultura oriental, meu coração fica mexido de verdade, gente.


Cena linda de Rachomon (Às Portas do Inferno - Akira Kurosawa)
Marcante!

A exposição acontece  até o dia 28 de novembro, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo.

E vocês, curtem as histórias de samurais e os desenhos deste ícone do cinema japonês?
O Theo e a Sofia a-doram essas histórias. A Sô também adora pintar e já ensaia com seus pincéis e cavalete dados pelo Tio Franco rs!

Beijo especial a esses meus samuraizinhos!
Beijão a todos!


Todas as imagens google.

terça-feira, novembro 23

SURPRISE

 
Primeiro quero deixar registradinho que está tudo "alagado" (de lágrimas) por aqui. 
Isso. Estou emocionada de verdade, Esterzita!
São muitas coisas boas pela blogosfera.
Sabem aquela cena onde um amigo  vai guiando o outro, de olhos vendados, preparando-o para uma big surpresa? É assim que me sinto caminhando por esses corredores virtuais.
A Ester, uma amiga queridíssima, está na direção do que eu chamaria de Um Grande Espetáculo, onde estamos, algumas amigas e eu, participando hoje. E ela produziu e dirigiu tudo brilhantemente.
Está tudo lindo minha amiga. Você, o show e claro, seu Universos, que completa o terceiro ano de estrada!
E como estamos alegres por participar da festa.
Parabéns por teu espaço lindo!


Ok, vocês devem estar querendo saber mais sobre tudo o que a Ester programou para esses amigos convidados, não é? Sim, porque eu sou A curiosa pra tudo, imagino que vocês também rs.
Vamos lá:
Ela teve a super ideia de um Amigo Oculto Virtual. Estamos há algumas semanas nos segurando (amiga eu tive que me segurar viu rs) para revelar somente hoje, o nome de cada um deles.

A minha amiga secreta é...
Uma menina suuuuuper em tudo. 

Tem um super bronzeado das praias deliciosas do Rio, conversa sobre tudo com um suuuuper humor e nos proporciona momentos alegres pra valer, com seu blog..
Ela é um mix de super mulher, linda e muuuuito bem humorada e super blogueira, nos contagiando com a energia de tudo o que escreve.
Quando criei meu blog eu sabia que falaria bastante sobre ANDANÇAS. Por que como diz sabiamente a Ester, sou também um ser em construção, uma andarilha eterna, buscando, aprendendo;  cheia daquela sede de trocar logo todas minhas dúvidas e questionamentos, por respostas que façam meu coração sossegar.
ANDANÇA, caminhada... É essa nossa trilha  degraus afora, ansiosos por subir na escala do conhecimento e da compreensão de muitas coisas, uma delas o  amor.
E é de forma muito animada e repleta de sorrisos, que a Lilia contribui para que nossa jornada seja mais leve e poeticamente otimista.



Um beijão Lilia, amei conhecer você e o Andanças!

segunda-feira, novembro 22

AOS MEUS AMORES



Não quero lhe falar,
Meu grande amor,
Das coisas que aprendi
Nos discos...
Quero lhe contar como eu vivi
E tudo o que aconteceu comigo
Viver é melhor que sonhar
Eu sei que
o amor
É uma
coisa boa
Mas também sei
Que qualquer canto
É menor  que a vida
De qualquer pessoa...
Por isso cuidado meu bem
Há perigo na esquina
Eles venceram
e o sinal
Está fechado prá nós
Que somos jovens...
Para abraçar seu irmão
E beijar sua menina na rua
É que se fez o seu braço,
O seu lábio e a sua voz...
Você me pergunta
Pela
minha paixão
Digo que estou encantada
Como uma nova invenção
Eu vou ficar nesta cidade
Não vou voltar pro sertão
Pois vejo vir vindo no vento
Cheiro de
nova estação
Eu sei de tudo na ferida viva
Do
meu coração...
Já faz tempo
Eu vi você na rua
Cabelo ao vento
Gente jovem reunida
Na parede da memória
Essa lembrança
É o quadro que dói mais...
Minha dor é perceber
Que apesar de termos
Feito tudo o que fizemos
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Como os nossos pais...
Nossos ídolos
Ainda são os mesmos
E as aparências
Não enganam não...

Trecho de: COMO NOSSOS PAIS
Comp: Belchior

Amo Elis.
Dedico este trecho de COMO NOSSOS PAIS ao meu amor e à minha família, que me ensinam todos os dias (Pai, lembra quando você cantava essa canção pra mim? Me explicando os versos? bjo) e claro, aos meus amigos.
Uma excelente semana!
Beijo a todos!

quinta-feira, novembro 18

BLOGAGEM COLETIVA CONTRA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA


A Ingrid - Desconstruindo a mãe, sugeriu que contassemos uma história de superação, uma situação onde conseguimos dar a volta no monstrinho do instinto e ser racional, evitando aqueeela surra no (s) filhote (s) coisa que, fatalmente, seria motivo de arrependimento mais tarde.

Como parte integrante dessa blogagem  importantíssima segue o meu textinho:

Ano passado compramos um novo sofá. Mexemos em algumas coisas aqui em casa e o marido aproveitou para despachar o  jogo que tínhamos (pra mim era simpático, mas o Sandro detestava).

Depois de olhar  um e outro optamos por um preto. Bonitão o danado. Foi para nossa sala  todo imponente e eu, no final acabei gostando. Bom para darmos aquela esticada (é inevitável. Já tentei não cochilar no sofá, mas não consigo), ver um filminho mais confortavelmente, enfim o bom companheiro das horas preguiçosas. Como trocamos outas coisinhas, a sala ficou mesmo mais bonita, mais atraente; E como a gente gosta disso, né? Cuidar da casa, enfeitá-la e depois ficar pelos cantos apreciando... 

Estava tudo muito bem, tudo muito bom até que uma bela tarde, D. Sofia resolveu dar sucessivos... "golpes", com um lápis bem pontudo e afiado no meu queridinho. Foram umas 15 irremediáveis perfurações no meu sofá fofooo, que evoluíram para pequeninos rasgos, hoje gigantescos. 

Neste dia estava me preparando para tomar um belo banho, quando voltei à sala e peguei a mocinha sagaz numa atitude suspeitíssima. 
Ao me aproximar e ver os furos, que não eram poucos, passei por um mix de sensações. Nas frações de segundo seguintes, pensei em dar na cara dela, literalmente. Sim, dar na caaara (ela só tinha 5 anos)!

Porém,  parei. Lembrei-me de uma virtude que sempre me faltou e tornou-se indispensável  desde que a maternidade bateu a minha porta: Ela mesma, a paciência.
Respirei proooofundamente.
Mais uma vez. Respirei (aprendi esse exercicio no Reike e recomendo. A respiração acalma e nos dá tempo hábil para raciocinar, faça isso pausadamente e repedidas vezes).

Destruir um sofá novo não é uma atitude lá muito comum, ao menos para uma criança nesta idade. Foi o pensamento que me arrancou daquele "estado de graça", pra não dizer coisas piores - o blog é poético, gente rs - , e me trouxe a tona, de volta à racionalidade.
Conversamos muito. Ela entendeu.
Fiquei aliviada e mais que convencida sobre a importância de dialogar com nossos filhos. É essencial. No caso dos meus é frequente. Sou meio exagerada, vivo em função disso.

E em resumo, segundo o que pude apurar, a Sô estava estressada. Ela faz aquele perfil criança oriental introspectiva. Preciso estar sempre de olho nela. É super tranquila, suuuuper amiga, mas não é falaaante como o Theo... normalmente guarda seus sentimentos mais conflitantes. 
Tudo isso sobre a minha linda, prometo resumir numa outra história, que fica para um ooooutro post.
Mas ela é normal, tá rs? Estava mesmo é de saquinho cheio do irmãozinho mais novo, que é aquele chicletinho grudento. Uns pitchuquinhos bem docinhos esses meus dois.
Ah, o sofá?
Está conosco até hoje; nos recusamos a trocar, a Sofia tem que se sentar muuuuito nele, sentir o incômodo até chegar o momento de desfrutar de um novo, que já namorei muito e  já escolhi, mas deixa pra casa nova que um dia terei.  Prometo contar aqui também!

Falei um tiquinho da relação de irmãos do Theo e da Sofia, nesta postagem, se tiverem um tempinho a mais, leiam.

Beijão especial à todas as mamas!

Beijão amigos!


quarta-feira, novembro 17

BEM LEGAL

O Poético recebeu o Prêmio Dardos, da Márcia. Fiquei feliz da vida...Sim, cheia de bossa, como diriam alguns amigos.
A Márcia que me presenteou, mora aqui no Relacionamentos, vida e cotidiano!
Passar por lá significa se emocionar e vivenciar muita  poesia e romance. Ela é uma fofa!

Muitos queridos aqui  pela nossa cidade dos blogs (que a cada dia cresce mais e isso é tudíssimo de bom!)  já o tem. Então, gostaria muito de presentear meus amiguitchos que ainda não possuem. Fiquem a vontade para levá-lo, ok?
O Dardos é um selo  agregado a uma ideia bacanérrima. Além de inspirador, acho que nos incentiva ainda mais a divulgar e debater assuntos importantes em todos os âmbitos. Tenho trocado com muitas pessoas aqui na blogosfera, é um blá-blá-bla suuuuuper legal e positivo, portanto é um prazer dividí-lo com vocês.



«O Prémio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web».


Recebi outros mimooos dos amigos, logo mais publico.




Beijão Ma!
Beijos a todos!

segunda-feira, novembro 15

MARIA BRIGADEIRO - ATELIÊ (Simplesmente... irresistível!)


Amigos, neste finde o maridones me levou ao Maria Brigadeiro (estávamos afins de provar esse doce, doce, porém com o toque deste ateliê). O hermanito e a  cunhadíssima estavam conosco (adoro muito esses dois!) e a presença deles adoça de forma especial nossos tours gastronômicos.
(Quando o assunto é comida eu aproveito, acho até que passo um tequinho do ponto. Curto desde o tradicional até o mais ousado).
O Maria Brigadeiro é um espaço suuuper mimoso, especializado neste docinho brasileiro pra lá de conhecido. O primeiro em São Paulo que prepara  os sofisticados brigadeiros gourmet (em outras palavras pra comer rezando, sabe?).
Imaginem aqueles segredinhos da vovó aprimorados, combinados a blends de chocolates diferenciados.... isso deu origem ao que eu chamaria de uma bolinha de chocolate Magnifique!, e apresentada na forma de 40 receitas di-fe-ren-tes.
Os sabores vão desde o tradicional, queridinho da casa, passando pelos de nozes e os mega abrasileirados como os de café, até os extremamente exóticos (pimenta e masala), que tal?
Bem, melhor irmos devagar. Como já diria minha mãe o lugar não vai fugir não, rs! Além do mais, num ritmo menos frenético, dá pra voltarmos mais vezes com a desculpa de provar o que ficou pra trás.
Desta vez escolhemos a caixinha de vinte unidades com direito a mesclar nossos preferidos. 


Há outras opções de embalagens igualmente lindas e finalizadas no capricho. As caixinhas por exemplo, são super fofas amarradinhas com laçarotes de fita; as marmitas vem embaladas com lenços exclusivos Alexandre Herchcovitch (que chiquice, né?)  e trazem diversas opções de estampa.


Achamos o máximo (obviamente me refiro às impressões femininas; os homens limitaram-se a olhar e olhar, só).
A loja oferece ainda, alguns outros produtinhos interessantes como livros de receita e jóias com motivos do tema.
O espaço é todo retrô,  meeega simpático.
A-mei! E como diz o próprio slogan deles: 

"A vida é curta, comece pela sobremesa!"

...então... comecemos! 


Obs.: Como muito falei em brigadeiro, não posso deixar de citar que o de colher tem sido a atração da vez;  a Gabi Cristal, fez um post completinho com altos toques de como e em que ocasiões preparar essa tentação. Está aqui.
Acompanho e curto a bessa o blog dela. Os textos são deliciosos, ela é uma linda sempre muito carinhosa. Lá, encontramos também super dicas de viagem, decoração e outros assuntos que a gente quer e precisa estar por dentro. Vale conhecer.

Beijão Ju, beijão Clau!
Beijo doce a todos!




Todas as imagens: Maria Brigadeiro

sexta-feira, novembro 12

SEMPRE



Fim de mais uma semana.
Havia me programado para fazer mil coisas. Sim, mil rs. Destas, algumas muitas ficaram perdidas pelo caminho... o fim de semana chegou e para ele também já inventei mais outras mil (hoje pela manhã o marido disse: Nem o Batman, com todos os problemas de Gotham, corre tanto quanto você ou é tão agitado rs...).
Parando e pensando bem, essa "coisarada" nem é lá tããão importante...
O que quero de verdade é entender que muitas vezes planejarei e  não terei tempo, imaginarei mas poderei não concretizar, desenharei, mas se faltarem algumas cores pra finalizar, tudo bem...
Deixar pela metade?
Não, apenas saber e sentir que cada coisa vêm a seu tempo, que a história do um passo por vez, que meu pai buzinava em meus ouvidos era mesmo verdade verdadeira.
Às vezes estamos vindo bem pelo trajeto, com tudo engrenadinho, motor a pleno vapor, aquela certeza booa de que o desfecho será mesmo aquele que projetamos e tanto desejamos e, por um ou outro motivo, nos vemos obrigados a  pisar no freio...  (ah tá, esse motivo diversas vezes assume a carinha feia de pessoas que não valem a pena, dúvidas, medos, instinto de preservação, inseguranças ou tudo junto. Mesmo nestes casos, penso que devemos ter serenidade para aceitar a pausa, que pode ser essencial).
Se soubermos "apreciar" essa parada forçada, olhar à volta, redefinir alguns trechos do percurso e retomar o fôlego, é possível que alcancemos a(s) sonhada(s) meta(s), antes do previsto. 
Preciso me lembrar de repetir tudo isso pra mim mesma, em voz bem alta, todos os dias, como mantra.



Um beijo e um excelente final de semana!

quarta-feira, novembro 10

O VISITANTE




Pela pequenina fresta da cortina adentravam os primeiros raios de sol.


Sobre a mesinha de cabeceira, algumas flores e um copo com água. Nas paredes apenas um relógio meio empoeirado marcando exatas 10h00.
Jacinta entreabria os olhos. A luz a incomodava. 
Passou a mão pelos cabelos e com esforço saiu de sob os lençois. Inexpressiva, apenas pensava... esfregava o rosto. A alegria do ambiente ficara por conta das rosas que lhe eram, por hora, única companhia. 

Recostada na cama, movia-se com dificuldade em direção ao café da manhã deixado a seu lado, porém faltava-lhe apetite. Ha vários dias acamada, entregara-se completamente à palidez de sua convalescença.
Novamente deitou-se.

De olhos fechados, sentiu repentinamente um calor suave tocar-lhe a face direita; 
A batida leve da porta acusava a presença de um visitante... o calor súbito tomava-lhe o restante do corpo.

Em pé diante de Jacinta, o estranho olhava-a profunda e docemente...
Ela sorria.
Sentia-se arrebatada por uma estranha sensação de ânimo!
- Olá! - disse o homem, com simpatia.
- Olá! - respondeu Jacinta, com curiosidade de criança.

A figura de cabelos claros e vestes azuladas inclinou-se em sua direção. Enquanto ela observava, ele tocava delicadamente sua testa, respirando intensamente. Fitando-a, disse:
Vim para olhar-te de perto, tocá-la de forma mais próxima, sentí-la em seus medos, em seu desconforto... Vim atendê-la.

Revestida de várias nuances e de uma multidão de novos  pensamentos, nada dizia. O sorriso que há muito fugira de suas expressões, mantinha-se fixo agora.

Mais algumas frases, cortaram o silêncio entre as quatro paredes:
Hoje querida, é para ti o recomeço, um amanhecer para horizontes que desde muito buscas afoitamente. Finalmente sinto-a adentrando seu verdadeiro destino e ele, alegremente te dá as mãos. Apenas saúda-o e lembra-te de abraçá-lo sempre.

Retribuindo com afeto, uma lágrima emocionada brotou de seus olhos.
Envolvida e refeita pelos ares pertumados que pareciam carregá-la, deu o primeiro gole em seu café, provou o doce dos pãezinhos que o acompanhavam e sorriu ainda meio confusa. Alegrava-se.

O oxigênio que preenchia seu peito e seus poros era doce. O ambiente puramente cores, a cantoria dos pássaros como novidade para aqueles ouvidos... o corpo era outro.

segunda-feira, novembro 8

GENTILEZAS E CORDIALIDADE

 E mesmo em meio ao turbilhão de carros e amontoado de caras fechadas que é o trânsito das grandes cidades, vez ou outra avistamos um rosto simpático que nos cede a vez e permite que também passemos...
Naquele metro quadrado sufocante, muitas vezes abarrotado que são os elevadores de nossos shoppings e prédios comerciais, ainda cruzamos com pessoas gentis que, educadamente, seguram as  portas para que também entremos...


São apenas exemplos de situações onde a cordialidade e a boa educação falam primeiro. É raro, mas acontece sempre que vibramos nesta sintonia. 
De verdade?
Quando presencio ou vivo um episódio como estes, reflito... fico feliz. Abraço aquele presente e procuro perpetuar suas boas energias...
E se eu gosto de receber gentilezas, outras pessoas também. Se me agrada, aos outros idem. É simples.

Imagino que por aqui, na blogosfera, esta regra seja igualmente válida, pois como blogueiros, sabemos que para cada postagem dedicamos tempo e atenção, em respeito aos leitores e seguidores. Depois, nos  sentimos gratificados (eu me emociono rs) ao ler os comentários atenciosos, cordiais e pertinentes ao que pensamos e postamos. Não é difícil imaginar que, da mesma maneira, é  para nossos amigos ou vizinhos de blog.


Amigos, praticar e falar de gentileza é importante. Acho bacana alimentarmos o assunto em nome, especialmente, da harmonia e interação entre  nós blogueiros, apaixonados pelo ofício (rs), por isso aderi à campanha A ARTE DE COMENTAR NOS BLOGS, da Flávia Shiroma.


E vocês topam postar sobre isso?
A Flávia fez uma campanha bem legal. No blog dela (acessem o link acima), há comentários de algumas leitoras, opinando sobre os tópicos que ela separou para estruturar a ideia que queria nos passar. Ou seja tudo o que ela pensou foi dividido e discutido entre os que fazem parte desse universo. Bom, né?
Para prepararem a postagem, seguem algumas regras:

1- Levar o selo;

2- Colocar o link da postagem da Flávia, para que outros acessem as dicas;

3- Colocar de quem receberam o selo; 

 "O intuito deste selo fixo de campanha "Blogueira Educada" é promover a harmonia na blogosfera. No nosso dia-a-dia é natural seguirmos alguns padrões de boa conduta pelo bem de uma convivência calorosa e sadia. No mundo virtual isso também pode ser feito. Vamos espalhar pelos quatro cantos que a educação deve existir também no mundo dos teclados e que o respeito às idéias de cada blog deve estar acima de tudo."  
 Flávia Shiroma - Blog Compartilhando Ideias com uma mulher de 30 e poucos.

   
Beijão a todos 
 Mi
  

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...